Hex Mask UI Icons Arrow Down Arrow Left Arrow Right Arrow Up Brackets Calendar Checkmark Chevron Down Chevron Left Chevron Right Chevron Up Clock Close Connect Copy crown download Ellipsis External URL Favorite (off) Favorite (on) Fullscreen Help Home Info Live Minus Mobile Menu Mobile Overflow Paginate Dot (filled) Paginate Dot (empty) Pin Placeholder Icon Play Video Circle Play Video Plus Search Team No-Team-Logo_Fallback_003 Ticket Trophy User Input Video Video Play Icon World X Game Mode Icons Hero Icons Map Icons Platform Icons Exclusive on Battle.net Social Icons Mobile Discord Facebook Instagram Reddit Twitch Twitter VK Youtube Weibo WeChat Workshop Icons WorkshopControl WorkshopShare WorkshopInfinite

A Magia da Animação: por trás da música e do visual dos curtas de Overwatch

A Magia da Animação: por trás da música e do visual dos curtas de Overwatch

Em 2014, o primeiro contato do mundo com Overwatch começou ao som de um tambor. Enquanto a tela mostrava um gélido front russo com diversos militantes armados e ômnicos aracnídeos, a música subia num crescendo de trompas e violinos afligidos, e uma voz sem corpo pronunciava uma única palavra: Conflito.

Tivemos um vislumbre do caos. De uma devastação global causada por entidades robóticas malignas e aparentemente imbatíveis. De um mundo à beira da anarquia.

Mas, então, a música introduziu trombetas triunfantes. Uma nova esperança surgiu. Pela primeira vez, vimos os soldados, cientistas, aventureiros e esquisitões da força-tarefa internacional que viríamos a conhecer como Overwatch.

O primeiro curta de animação — e os vários que vieram depois — foi um encontro de imagem e paixão musical feito por artistas e compositores cujos trabalhos em várias animações de Overwatch foram reunidos em um segundo livro de arte e em um álbum. Juntos, The Cinematic Art of Overwatch: Volume 2 e a trilha sonora Overwatch: Animated Shorts mostram o trabalho duro e o talento das equipes por trás dos curtas de Overwatch. Conversamos com alguns membros dessas equipes sobre a criação de música e imagem.

Imaginando imagens

Dos rascunhos e storyboards às renderizações finais com animações ricas e vivas no estilo artístico que virou marca do universo de Overwatch, a jornada colaborativa do processo de desenvolvimento visual de várias animações está registrada no novíssimo Cinematic Art of Overwatch: Volume 2.

Para o diretor de criação Jeff Chamberlain e o diretor de animação Jason Hill, cada curta foi orientado principalmente pelos sentimentos transmitidos em forma de animação e despertados na comunidade mundial do jogo. “Quando trabalhamos com animações, colaboramos com nossa equipe conceitual para explorar as opções de design dos personagens e dos cenários”, afirma Hill. “Existem incontáveis maneiras de evocar uma ligação emocional com uma arte, seja através de cores ou enquadramentos, sem falar nas ações dos personagens. Meu objetivo é trabalhar com a equipe de desenvolvimento visual e descobrir as melhores opções possíveis. E, para nossa sorte, temos artistas muito talentosos que têm ideias fantásticas no processo.”

Conseguir uma ligação emocional com os espectadores enquanto conta uma história interessante em um tempo reduzido exige muito cuidado. É um talento que desenvolvedores visuais passaram anos refinando. As animações de Overwatch têm apenas alguns minutos, e, segundo Hill, a equipe não pode se dar ao luxo de contar uma história mais demorada. “É importante tentar maximizar a alma de tudo o que fazemos. No fim das contas, isso depende dos personagens e das relações entre eles e com o mundo ao redor. Tentamos descobrir quais as necessidades de cada personagem e construir uma história ao redor disso.”

O norte da equipe, de acordo com Chamberlain, é a vontade de contar histórias envolventes pautadas nos personagens com as quais o público se identifique. O processo de desenvolvimento de novos curtas de Overwatch começa com a definição da história que a equipe quer contar, e Chamberlain diz que essa é “a parte mais brutal e gratificante do processo”. Depois de encontrar o gancho perfeito, os artistas começam a modelar os momentos evocativos e os arcos dos personagens da animação. “Animação, iluminação, disposição, câmera, som, efeitos... tudo isso contribui para o que vocês, como espectadores, vão sentir durante o curta. Às vezes nós revemos alguma coisa e demoramos alguns segundos para voltar para a realidade e discutir o trabalho. É aí que sabemos que estamos no caminho certo.”

Uma parte importante do processo de desenvolvimento de animações, lembram Chamberlain e Hill, é trabalhar em conjunto com os compositores da equipe de música de Overwatch para deixar a história ainda mais forte. Tirar as reações emocionais certas do público é algo que exige atenção a aspectos sutis, como o movimento da câmera, a dublagem e as melodias que costuram tudo. “A música é parte crucial das animações, já que é uma ótima arte para expressar um estado emocional”, comenta Chamberlain. “Passamos muito tempo aperfeiçoando nossas trilhas com nossos compositores talentosíssimos — e pacientes — para garantir a resposta emocional que queremos.”

O diretor de composição Derek Duke e o compositor Adam Burgess emprestaram seu talento para a criação da nova trilha sonora Cinematics , lançada junto com o novo livro de arte das animações. Eles conversaram um pouquinho com a gente para contar como são feitas as trilhas encantadoras das animações de Overwatch.

Soltando o som

A nova trilha sonora, Overwatch: Animated Shorts é um compilado de faixas únicas de todas as músicas de Overwatch, de “Recall” a “Reunion”. É uma coletânea da paixão e amor pelo futuro possível de Overwatch da equipe de música que compôs, gravou e deu vida com muito carinho a cada uma das notas nas 11 faixas que acompanham as animações e histórias dos heróis do jogo.

“Nossas paixões são jogos e o entretenimento nas histórias que contamos”, diz o diretor Derek Duke, responsável pela direção musical das animações. “Trabalhamos nas músicas até sentirmos que cumprem sua função. O trabalho na trilha sonora pode levar um ano, 18 meses ou até 2 anos para terminar, quer estejamos no início, partindo de sentimentos e observações, quer no fim do projeto, na fase de mixagem, tentando descobrir como arrancar até a última gota de emoção dos ouvintes para fazê-los chorar. O importante é tirar o máximo possível da nossa música.”

Para a equipe de som, compor músicas é como costurar uma história complexa nas linhas de uma pauta musical. Os músicos talentosos que orquestram cada trilha das animações trabalham juntos para complementar o mundo e os personagens que ganharam vida nas mãos dos outros artistas e animadores, orientando e enriquecendo a história contada na tela. “A música tem o poder de evocar emoções de uma forma única, mas ela precisa evocar as emoções do jeito certo” ”, diz o compositor Adam Burgess.

Usar a música para instigar emoções em uma cena da animação e conduzir essa comoção dos espectadores da maneira certa pode ser um trabalho desafiador para a equipe, principalmente porque, segundo Duke, nunca há uma solução única para nada.

“Não é só apertar um botão para deixá-la muito alta ou muito suave”, comenta. “Lá na primeira animação, quando o garoto diz para a Tracer no museu que o mundo precisa de mais heróis, estávamos dando os primeiros passos na franquia e queríamos criar algo novo, então começamos a animação com um sintetizador suave e sutil. Achamos que podíamos usar essas notas suaves no final outra vez. Mas não estávamos conseguindo a resposta emocional que queríamos de jeito nenhum, então decidimos trocar para um piano. Então, ela veio imediatamente, porque o piano é um instrumento humano e tem um lugar forte nossa cultura. Isso nos deu a força emocional que estávamos buscando.”

Conseguir essa força é um processo que exige o refinamento de cada minuto e uma repetição contínua. A troca constante entre compositores, produtores e diretores da equipe de Overwatch é o segredo das emoções puras presentes em cada trilha que compõem. “As melhores respostas emocionais do público vêm quando tudo está perfeitamente alinhado”, conta Burgess, “e é por isso que essas coisas tomam tanto tempo. Precisamos de iterações constantes para que tudo dê certo, atraindo e afastando os ouvintes. A música é muito ligada à história, e muito da força vem daí.”

A trilha sonora Cinematics é resultado desses anos de esforço e representa a ambição da equipe de aperfeiçoar o impacto das músicas. E para Duke, Burgess e todos os outros compositores e designers de som, é algo vivo que foi uma parte enorme da vida deles.

“A música é mais que um trabalho”, diz Duke. “É algo real para nós, e é uma parte enorme da nossa vida. Vivemos música todos os dias. É uma extensão de quem somos.”


Ouça as músicas das animações de Overwatch com o álbum Overwatch: Animated Shorts e descubra como os curtas de animação foram feitos com o novo livro The Cinematic Art of Overwatch: Volume 2. Confira a playlist no YouTube para ouvir algumas das faixas e acesse playoverwatch.com/music para saber onde ouvir a trilha sonora quando ela for lançada na sua região.

0 Comentários